Reabrir E se reinventar

Poucas semanas após a paralisação de suas operações, com a flexibilização gradual das regras de 'lockdown', as empresas agora precisam religar seus motores num ritmo sem precedentes. O desafio é agravado pelas incertezas sobre o avanço da COVID-19 e pelas ações sociais, políticas e fiscais que ela trará.

No entanto, a reabertura exigirá mais do que um retorno ao normal, uma vez que o longo e imprevisível período pós-pandemia será caracterizado por mudanças significativas na atividade econômica e por rápidas mudanças nos padrões culturais, valores sociais e comportamentos. Reabrir e driblar as incertezas também requer um programa de reinvenção.

Isso representa uma oportunidade - e uma necessidade - para muitas empresas desenvolverem agora as competências em que gostariam de ter investido antes: serem mais digitais, orientadas a dados e na nuvem; terem mais estruturas de custos variáveis, operações ágeis e automação; criarem recursos mais robustos em comércio eletrônico e segurança. Essa agilidade será essencial para os recursos de longo prazo que elas vierem a criar. Os líderes devem ter em mente que seus passos para reabrir serão os primeiros de uma longa jornada de transformação mais ampla.

Preparando-se para diferentes cenários

Os CEOs terão que reabrir sem saber como avançará a pandemia. Há uma série de cenários possíveis com base na evolução do vírus em si e na natureza da resposta social.


Surtos cíclicos
As contaminações estão controladas nas primeiras localidades, mas se espalham para novos hotspots e ressurgem nos antigos. A paciência se esgota com o distanciamento social, abrindo fissuras sociais.


Rápida remissão
A doença está contida e a vida logo volta ao normal. As medidas do governo para estabilizar a economia funcionam rapidamente.

Caos prolongado
As medidas para controlar o vírus parecem inúteis. Governos e sociedades estão no limite. A economia está restrita apenas ao necessário e a inflação dispara.


Achatamento da curva
O ritmo de contaminações diminuiu, mas não entrou em remissão. A economia encolhe de forma quase permanente. A sociedade se verga, mas não se rompe, se unindo para suportar as medidas do governo.


Não é apenas uma (re)abertura: é um novo começo

Diante dessas circunstâncias, os líderes de empresas têm três prioridades:

Navegar em meio às incertezas

Dada a variedade de possíveis cenários, as empresas deverão estar preparadas para mudar de rumo rapidamente. Quaisquer medidas tomadas para reabertura deverão, portanto, ser facilmente reversíveis e redimensionadas.

Mitigar os desafios imediatos

As empresas terão que proporcionar um ambiente de trabalho seguro e protegido, comunicando-se com sua força de trabalho de forma transparente para gerar confiança.

Construir um futuro melhor

 As empresas não devem reabrir e retornar ao que eram antes. A reabertura é uma oportunidade para criar um futuro melhor para funcionários e clientes.



Comprometa-se com a reinvenção efetiva

Um programa de reinvenção efetiva capaz de driblar as incertezas começa com estas cinco áreas:

01. Coloque as pessoas em primeiro lugar

Hoje, vemos que a solidariedade compartilhada no trabalho pode fazer toda a diferença nesta crise. As empresas precisam ir além do transacional para realmente entender seus funcionários se quiserem criar ambientes de trabalho produtivos, inclusivos e gratificantes em longo prazo.

    • Nossa pesquisa COVID-19 com consumidores revelou que mais de 64% da força de trabalho global estão passando por grande ansiedade com relação à manutenção de seus empregos. Outros temem que as interações sociais tradicionais não sejam mais possíveis.
    • Busque proativamente o feedback dos funcionários e dê voz a eles.
    • Encontre a combinação "glocal" certa de liderança, delegando onde for adequado, mas fornecendo orientação e coordenação central.
  • Viver o seu propósito motiva as pessoas a perseverarem numa jornada desafiadora de mudança.

  • Transforme trabalhadores afastados em trabalhadores flexíveis, treinando-os em habilidades que lhes permitam se concentrar novamente em áreas de maior demanda. Ofereça programas de aprendizado e de carreira para o pessoal afetado.

  • Disponibilize orientadores pessoais, suporte à saúde mental e programas de bem-estar para ajudar funcionários angustiados ou sob estresse, tais como aqueles que cuidam de pacientes idosos e parceiro(as) dos principais trabalhadores. Ofereça seus sentimentos pelas perdas. E instrua os líderes a compartilhar suas próprias experiências com a COVID-19.

    • Pode ser que o trabalho retorne, mas não as escolas e assistência aos idosos. Nos EUA, 67% dos pais de crianças menores de seis anos trabalham.
    • Revise as políticas, concentrando-se nos grupos mais vulneráveis, tais como trabalhadores temporários, pessoas com deficiência, famílias monoparentais ou pessoas sem plano de saúde adequado.

Crie um ambiente de trabalho seguro que dê confiança às pessoas para retornarem às instalações de trabalho e se adaptarem à nova maneira híbrida virtual / física de trabalhar.

  • 49% das pessoas em nossa pesquisa que nunca trabalharam a partir de casa hoje planejam fazê-lo com mais frequência. Repense o trabalho para que ele possa ser feito com mais eficiência em casa. Treine líderes para que possam gerenciar equipes híbridas virtuais/físicas e estenda o suporte da tecnologia.

      • Crie não apenas um ambiente seguro, mas também um ambiente confortável e com um nível de estresse controlado.
      • Limite o contato físico e faça um uso mais flexível do espaço (ex.: expediente por turnos). Separe os trabalhadores que devem estar indispensavelmente presentes na linha de frente daqueles que podem trabalhar remotamente.

  • As empresas têm a obrigação de pensar além de seus funcionários. Busque cumprir rapidamente suas obrigações legais e as expectativas dos parceiros da cadeia de suprimentos. Considere a função do diretor médico para gerenciar protocolos de saúde para a organização e sua interação com o ecossistema mais amplo.

  • Amplie os protocolos de segurança de dados, redes e sistemas para gerenciar o uso de dispositivos pessoais e novas ferramentas de colaboração.

  • Maiores níveis de monitoramento de funcionários e novas medidas de segurança exigirão contratos de trabalho explícitos e implícitos.

Planeje um retorno gradual que responda a eventos imprevisíveis, deslizes e reversões. Aproveite esta oportunidade para repensar, fazer reengenharia e melhorar as operações futuras.

    • Alinhe processos críticos à estratégia de negócios e fortaleça sua flexibilidade.
    • O sucesso depende da adoção de soluções inovadoras para criar um ambiente de trabalho evoluído.
    • Com os governos revisando as políticas todos os dias, a tomada de decisão local com a coordenação central é fundamental.
    • Crie equipes diversificadas que se concentrem nas principais prioridades das áreas de negócios, como o departamento financeiro e recursos humanos, para resolver problemas novos ou inesperados.
    • Identifique rapidamente oportunidades de treinamento multidisciplinar.
    • Torne os processos transacionais mais digitais e concentre-se em operações proativas orientadas por valor - viabilizadas por dados e analytics - para reduzir o estresse nas operações.
    • Libere pessoas talentosas para um pensamento mais crítico.
    • Use uma combinação de modelos de serviço (escritório, residência, países e fusos horários) para minimizar o risco para a organização.
    • Reúna equipes distribuídas e altamente qualificadas que possam se conectar a qualquer momento e de qualquer lugar e cumprir os compromissos com o cliente.
  • Monitore e distribua o trabalho por toda a rede em tempo real, usando um centro de comando para medir qualidade, produtividade, conformidade, insights e inteligência, envolvimento das pessoas e bem-estar da força de trabalho.

  • Procure reabrir os componentes de negócios que geram caixa e/ou lucros mais rapidamente para alimentar novos fluxos de crescimento.

  • As empresas não devem permitir que sua reabertura anteceda sua capacidade de manter a segurança dos seus sistemas e ambientes físicos.

    • Novas habilidades de liderança serão necessárias na reabertura e depois, exigindo um conjunto diferente de habilidades e estilos de liderança.
    • Este é o momento de identificar e capacitar seus líderes mais empreendedores e inclusivos.

Passe da rápida redução de custos para o desenvolvimento de uma mentalidade flexível de gestão de custos, e da proteção do balanço para investimentos em longo prazo.

  • Considere reduções de custo na segunda onda. Reestruture dívidas de curto prazo para contratos de longo prazo. Reduza a complexidade da SKU para otimizar a gestão de caixa. Torne os custos variáveis, incluindo tecnologia (ex.: software como serviço e nuvem), terceirização e contratados.

    • Crie uma cultura de controlar custos e uma mentalidade de avaliar continuamente os custos. Deixe claro como as medidas de redução de custo estimularão os investimentos.
    • Invista em mais inteligência de dados para melhor ajustar as estruturas de custos e administrar a liquidez.
  • Equilibre a proteção de liquidez em curto prazo com o investimento em longo prazo e a necessidade de F&A. Defina quais oportunidades de F&A devem ser aproveitadas enquanto ativos depreciados estiverem disponíveis. Identifique como as F&A podem aperfeiçoar os recursos do ecossistema intersetorial que melhoram a agilidade e a flexibilidade.

  • Avalie os programas de apoio governamental e as possíveis obrigações que possam ter impacto na liquidez em longo prazo ou na agilidade competitiva.

O sucesso em longo prazo da reabertura está no desenvolvimento de novos recursos. Este é o momento de dar início a uma transformação de negócios mais ampla, aproveitando novas tecnologias em escala.

    • Procure entender e ter empatia com os clientes, colocando-os no centro de como você desenvolve – e evolui constantemente – suas experiências do cliente. Crie experiências mais pessoais e menos transacionais. 
    • Invista em IA e outras ferramentas para gerenciar a interação com o cliente e analisar o comportamento do cliente. Forneça aos funcionários da linha de frente as informações necessárias para personalizar experiências. 
    • Vá além do uso da nuvem para aumentar a eficiência em determinadas áreas. Migre aplicativos para a nuvem em escala. E então embarque em novas maneiras – dentro do ambiente em nuvem – de promover a inovação no uso de dados e aplicativos.

  • Gerencie os riscos associados às flutuações em larga escala da força de trabalho. Procure pontos fracos na cadeia de suprimentos, falsificações e novas ameaças cibernéticas num ambiente industrial menos seguro. 

  • Dê suporte a todas as áreas de agilidade e experimentação com um empoderamento mais claro de pessoas e equipes, respaldado por maior delegação e métricas revistas de gestão de desempenho que recompensam a autonomia.

Tchau, reabertura; olá, reinvenção

A reabertura será mais do que um recomeço. Será o início de uma nova era para os negócios. As regras mudaram. O comportamento dos funcionários e dos clientes também.  ​

Mas isso gera novas oportunidades para as organizações com coragem e visão para mudar além das necessidades imediatas. Por exemplo, muitas organizações mudaram parcialmente para a nuvem. Contudo, tendo reduzido custos em algumas áreas da empresa, chegou a hora de reinventar e escalar a adoção da nuvem por toda a empresa, criando custos variáveis e aumentando a flexibilidade. Aquelas que conseguirem se reinventar - seus processos, experiências do cliente, contratos de trabalho e contratos sociais, e o fizerem de maneira a promover seu objetivo - vencerão. 

Driblar as incertezas – mitigando desafios imediatos e construindo um futuro melhor – criará organizações que um dia olharão para trás e verão esta crise como sendo a hora de maior escuridão antes do amanhecer.

À medida que a situação se desenrola, atualizaremos continuamente nossos materiais, por isso, consulte-nos com frequência.



Entre em contato

CENTRAL DE ASSINATURAS
Mantenha-se informado com nossa newsletter Mantenha-se informado com nossa newsletter