Um novo olhar sobre as tendências do nosso estudo Technology Vision 2020

Quando publicamos o relatório Accenture Technology Vision 2020 no início do ano, a COVID-19 ainda não era uma pandemia global. Agora, trata-se do maior desafio que o mundo atravessa em décadas. Em apenas alguns meses, transformou a vida das pessoas numa escala sem precedentes, impactou todas as indústrias e alterou o curso do crescimento das empresas. Mas a pandemia não desacelerou a inovação—ao contrário, está ampliando seu alcance para níveis históricos.

As tendências que levantamos exploram as alterações que vemos nos valores conceituais das pessoas e como os modelos tecnológicos da era digital estão cada vez mais desalinhados com eles. Este descompasso—quando o valor do negócio está desalinhado com os valores das pessoas—é o que chamamos de "tech-clash". É uma crise bem diferente, mas a COVID-19 não ofusca esta questão. Na verdade, a exacerba. Agora, mais do que nunca, é vital que as companhias pensem em como superar a incerteza atual.

O "eu" na experiência

As organizações que começarem hoje a construção de comunidades virtuais personaizadas, interativas e compartilhadas podem levar esse sucesso muito adiante no futuro.

A inteligência artificial e eu

Investir em IA inteligível e ferramentas que possibilitem uma parceria humanos-IA permite às empresas reimaginar sua força de trabalho no futuro.

Robôs à solta

Enquanto as líderes em robótica abraçam novos papéis relacionados à pandemia, as que olham para o longo prazo também constroem um futuro automatizado.

O dilema das coisas inteligentes

As empresas precisam introduzir novos recursos sem exageros. As falhas por não conseguir apoiar estas mudanças produzem benefícios de curta duração.

DNA da inovação

Líderes que criam DNAs de inovação ágeis e resilientes atenderão às novas necessidades e construirão novas capacidades mais rápido do que antes.

Veja todas

Como gerenciar agora

A esta altura, a total extensão do impacto da COVID-19 sobre a vida das pessoas, da economia global e das organizações ainda não é dimensionável. Mas ela já se tornou um extraordinário catalisador para a mudança. A necessidade de inovação é maior do que nunca, impulsionada por novos desafios que são mais disruptivos do que aqueles que alguém já enfrentou um dia. A pergunta às empresas é: quão rapidamente conseguem reagir? Diante desta nova realidade e deste novo imperativo, nós estamos revisitando as tendências que apuramos em nosso estudo Tech Vision 2020 e explorando como elas impactarão pessoas e negócios no mundo pós-COVID-19.

O "eu" na experiência

Na tendência "O 'eu' na experiência", nós pesquisamos a evolução das experiências digitais: a personalização 'caixa-preta', agora comum, faz os clientes se sentirem afastados e fora do controle. Ao contrário, as empresas precisarão de um novo modelo de personalização—um que realce a individualidade do cliente. Mas existe uma ressalva significativa: a COVID-19 transformou o papel e a importância das experiências digitais na vida das pessoas. As companhias necessitarão de estratégias de engajamento mais ágeis, agora e no futuro, se quiserem prosperar.

No curto prazo, as pessoas estão mudando, e as empresas deveriam atualizar suas estratégias de personalização para manter vínculos. As companhias precisam encontrar uma maneira de atualizar rapidamente seu entendimento dos desejos e necessidades dos indivíduos, e logo aposentar informações que não são mais válidas. As organizações que derem às pessoas o tratamento individualizado para conduzir suas próprias experiências digitais serão as primeiras a compreender os seus novos desejos e necessidades.

No longo prazo, o propósito de uma experiência digital será transformado. A demanda por experiências digitais verdadeiramente compartilhadas está crescendo, e as empresas líderes aproveitam a ocasião. A necesidade de plataformas e experiências digitais continuará a acelerar no futuro, à medida que negócios e consumidores busquem alternativas para se reunir 'ao vivo' num mundo pós-COVID-19. As empresas que iniciarem hoje a construção de comunidades virtuais personalizadas, interativas e compartilhadas poderão levar longe esse sucesso no futuro.

A inteligência artificial e eu

A tendência "A IA e eu" aborda como as empresas líderes estimulam a colaboração humanos-IA—ao reunir as capacidades quase ilimitadas da IA com a habilidade das pessoas para criar e refinar ideias. Antes da pandemia, isto já era tema top of mind em muitas indústrias. Agora, IA deve ser uma prioridade ainda mais forte, e os benefícios nunca foram tão promissores.

Uso de casos no curto prazo está claro: as equipes de trabalho precisam desesperadamente de augmentation. Já é fato: a colaboração humanos-IA está exercendo papel decisivo na corrida para descobrir a vacina contra a COVID-19. Fora do âmbito médico, a pandemia impõe novos desafios e restrições que os sistemas de IA podem ajudar a superar. IA pode auxiliar pessoas a imaginar novas soluções e ideias a fim de construir uma organização mais flexível.

No longo prazo, a COVID-19 nos permitirá ver a colaboração humanos-IA no seu melhor estágio, com o poder de esclarecer as dúvidas das pessoas sobre a tecnologia. Um estudo de 2019 da Accenture sobre inteligência artificial concluiu que um dos principais obstáculos para escalar a tecnologia é a falta da adoção pelos trabalhadores. Mas a pandemia poderia nos fazer pular esta barreira. Se as empresas investirem em IA inteligível e outras ferramentas que ajudem e capacitem verdadeiras parcerias humanos-IA—as pesoas experimentarão a tecnologia no seu melhor. O êxito de hoje poderia abrir novas possibilidades para as companhias reimaginarem seus negócios e força de trabalho no futuro.



Robôs à solta

Nenhuma outra tendência se consolidou tanto quanto a "Robôs à solta". À medida que o distanciamento social se tornou o novo normal, robôs são levados mais rápido do que pensávamos de ambientes controlados para áreas não controladas, em diversos segmentos. Eles são mais vitais do que nunca, visto que empresas e governos demandam novas soluções contact-less.

No curto prazo, robôs estão assumindo novas responsabilidades durante a pandemia. Robôs estão se juntando aos trabalhadores na linha de frente e colaborando no combate ao vírus. Eles ajudam as empresas a produzir até mais, enquanto demonstram a reguladores, trabalhadores e ao público novos modos de utilização. A pandemia está apresentando os robôs em sua melhor perspectiva, e seu impacto não será esquecido.

No longo prazo, os ecossistemas robóticos serão acelerados. O surto está dando força ao uso da robótica e automação. A necessidade crescente da automação estimulará mais do que apenas a robótica. Repare como as redes 4G cresceram em sintonia com o avanço da popularidade dos smartphones. Robôs, dispositivos IoT e 5G deverão ter uma relação similar, na medida em que o uso de robôs exigirá maior velocidade na transferência de dados e menor latência. Enquanto, hoje, vemos as líderes em robotização assumir papéis relativos à pandemia, as que efetivamente estiverem pensando a longo prazo estão também construindo as bases para um futuro mais automatizado.

O dilema das coisas inteligentes

Na tendência "O dilema das coisas inteligentes", exploramos como as organizações precisam confrontar a carga beta com as indesejadas consequências que ocorrem quando produtos inteligentes entram constantemente no fluxo. Agora, a COVID-19 aumenta nossa demanda por estes produtos inteligentes e atualizáveis, que têm grande potencial para a saúde pública. Mas este fardo beta pode ser um complicador mais à frente.

No curto prazo, acessórios inteligentes tornam-se ferramentas na luta contra a COVID-19. Dispositivos de saúde inteligentes podem ajudar a identificar sintomas, podem monitorar pacientes e conter coleções de valiosos dados de saúde que podem ajudar pesquisadores e governos a salvar vidas. Muitos aparelhos robóticos foram rapidamente atualizados ou reposicionados para a COVID-19, impondo distanciamento seguro em espaços públicos, disponibilizando antisséptico de mãos, entre outros fins. Onde a introdução de novos recursos e funcionalidades pode ter incomodado pessoas no passado, agora ela é mais bem-vinda no contexto da COVD-19.

No longo prazo, entretanto, a carga do pioneirismo continuará pesada. As companhias precisam ter em mente a ameaça de um futuro retrocesso. Esforços para combater a COVID-19 baseados em dispositivos já geram discussões sobre privacidade, e muitos se preocupam que seus dados possam ser usados contra si no futuro. As companhias precisam considerar como introduzir novos recursos em seus equipamentos, mas sem exagerar na dose. Aquelas que falharem no apoio total a estas mudanças e atualizações verão que os benefícios podem ter vida curta.

DNA da inovação

Na tendência "DNA da inovação", exploramos três áreas de inovação diferentes: tecnologias digitais maduras, avanços científicos e tecnologias DARQ (distributed ledgers, artificial intelligence, extended reality e quantum computing) emergentes. Empresas ganharão relevância pela forma como fundirem e combinarem bem estratégias específicas de todas estas áreas. Isto ainda está valendo, mas a COVID-19 balançou o equilíbrio, acelerando as tecnologias DARQ além das expectativas. Atualmente, as tecnologias emergentes estão ganhando espaço e as linhas do tempo para inovação estão se acelerando.

No curto prazo, a pandemia está submetendo os ecossistemas a um estresse de inovação. A COVID-19 empurra as companhias para trabalharem em conjunto de novas maneiras, criando inovação do tamanho do ecossistema. Repare como prefeituras estão se aliando a hotéis para acolher populações de sem-teto e evitar a disseminação do vírus em abrigos superlotados. A pandemia está levando companhias a estudar e testar muitas novas parcerias e possibilidades. Alianças, produtos e serviços que as empresas estão construindo hoje têm potencial para definir negócios e tecnologias pelos anos afora.

No longo prazo, as regras em torno da inovação jamais serão as mesmas. O mundo está mudando mais rapidamente do que alguém poderia esperar, e as empresas necessitam ser mais flexíveis do que nunca. Muitas líderes tecem juntas novas estratégias de inovação, formando novas parcerias para ajudar a se 'pivotar' ágil e continuamente durante esta crise. Precisamos de inovação robusta para atravessar a situação e ainda necessitaremos de inovação robusta quando a pandemia passar.

As tendências que vemos hoje

A COVID-19 tornou as tendências do nosso estudo Tech Vision 2020 mais relevantes e urgentes do que antes. Oportunidades para as quais as companhias esperavam ter anos para se preparar agora aproximam-se rapidamente. Para vencer estes desafios, as organizações precisarão inovar, inventar e se redefinir. As pessoas estão dependentes da tecnologia mais do que nunca. Quão rapida e responsavelmente as empresas puderem disponibilizá-la importa também. Estamos vivendo um tempo sem precedentes, direcionados para um futuro que muda rapidamente. As tendências tecnológicas que descrevemos podem ajudá-lo a definir o seu curso.

CENTRAL DE ASSINATURAS
Continue informado com nossa newsletter Continue informado com nossa newsletter