Visão geral

O ano passado, o mundo de forma coletiva sentiu o que é o deslocamento. Como (e onde) fazemos tantas coisas mudou, fazendo-nos sentir desconetados do conforto familiar, tanto o grande como o pequeno. Enquanto o esforço para combater a Covid-19 continua, as organizações têm de encontrar novas formas de alcançar e de comunicar com as pessoas e de entregar experiências à distância, num contexto espacial e social diferente.

Quando milhões de pessoas em todo o mundo começaram a trabalhar a partir de casa durante o confinamento, os espaços anteriormente considerados pessoais assumiram uma nova função profissional.

O que está a acontecer?

A que se parece o deslocamento coletivo? Imagine trabalhar em casa em vez do seu escritório, comprar online em vez de o fazer na sua loja favorita, ir a uma aula de ioga em streaming em vez de ao estúdio e observar os seus filhos enquanto eles falam com os seus professores online em vez da sala de aula.

A pandemia global deslocou a forma como e onde trabalhamos, aprendemos, fazemos compras e divertimo-nos - e até mesmo onde vivemos. Dividimos esse deslocamento coletivo em três categorias: lugar, atividade e deslocamento comunitário. O deslocamento de lugar inclui a mudança do trabalho no escritório para o trabalho remoto, bem como a mudança para uma nova casa (quer esteja a trabalhar lá ou não).

A relocação foi um tema global em 2020, com mais pessoas a sair de cidades densamente habitadas como Paris 1 ou Manila 2 para ambientes menos carregados no campo. Em simultâneo com o deslocamento de lugar, o deslocamento de atividade é simplesmente sobre a mudança na forma como as pessoas fazem as coisas.

Quase da noite para o dia, as aulas, as consultas médicas e até os casamentos estavam online. E, por último, mas não menos importante, o deslocamento da comunidade mudou a composição das pessoas à nossa volta. Grandes multidões - como nos concertos e em eventos desportivos - foram substituídas por atos a solo ou pequenos grupos reunidos em famílias ou virtualmente.

O deslocamento coletivo teve um impacto monumental no comportamento das pessoas, e muitas empresas enfrentam agora essa mudança nos clientes que conheciam tão bem.



O que vem a seguir?

Serão necessárias novas soluções para que as empresas entreguem experiências fora dos espaços físicos, onde antigamente os clientes e marcas interagiam. E com uma mentalidade de inovação, é possível fazer isso com segurança. Um bom exemplo é a loja virtual lançada pelo K11, um centro comercial de luxo em Xangai, que permite que as pessoas visitem e comprem em 46 lojas diferentes via WeChat. 3.

Conforme as empresas exploram novas experiências, há desafios imediatos a serem considerados. Primeiro, as marcas têm de perceber como a recolha de dados mudou. Aqueles que dependiam da exposição decorrente de padrões de comportamento há muito estabelecidos pelos clientes - ou seja, pessoas que viajam fisicamente de um lugar para outro - precisam encontrar formas de se tornarem mais visíveis.

Em segundo lugar, as marcas devem abordar o facto de que as compras se pulverizaram em muitos micro momentos espalhados ao longo do dia e entre os dispositivos. As redes sociais serão o estímulo para muitos desses momentos e provavelmente influenciará se as pessoas compram ou não.

Terceiro, devem replicar ou substituir o toque físico pelo digital. Em alguns casos, investir numa cópia detalhada ajudará a dar às pessoas o que precisam para tomar uma decisão.

Por último, as marcas devem buscar maneiras de proporcionar bons momentos através de abordagens imersivas. Recriar experiências outdoor em casa com os novos dispositivos, por exemplo, permite que as marcas tragam um pouco de magia à normal plataforma de comércio eletrónico."

O deslocamento coletivo mudou drasticamente o comportamento das pessoas. Muitas empresas agora enfrentam a mudança registada nos clientes que conheciam tão bem.

Mark Curtis

Managing Director – Interactive, Head of Innovation and Thought Leadership


Martha Cotton

Managing Director – Interactive, Fjord Co-Lead, Global​

A Fjord sugere

Pense

O cliente que conhecia ontem não é o mesmo que tem agora. Continue a estudar o contexto da sua base de clientes, porque provavelmente permanecerá instável por algum tempo.

Diga

As empresas têm um papel a desempenhar em dar esperança às pessoas. Considere o tom de voz da sua marca no contexto do momento atual. Escolha um tom e uma mensagem de esperança em todas as suas comunicações e misture-as no contexto local.

Faça

Reimagine como poderá oferecer experiências físicas valiosas, como a textura, o acesso a conselhos e a experiência de loja. Como poderá incentivar a exploração e oferecer inspiração de novas formas?

VER TUDO

Documentos de suporte

Slideshare

5 minutos de leitura

SUBSCRIÇÃO
Mantenha-se informado com a nossa newsletter Mantenha-se informado com a nossa newsletter