Skip to main content Skip to Footer

Faz parte da nossa estratégia de recrutamento

José Gonçalves Presidente da Accenture Portugal fala da ligação a este desafio Global Management Challenge

A ligação da Accenture Portugal ao Global Management Challenge é antiga, sendo a organização que há mais tempo patrocina esta competição de estratégia e gestão. Por norma e além do patrocínio à prova em si, apoia a inscrição de equipas, maioritariamente de estudantes. Uma escolha que José Gonçalves, presidente da empresa justifica pela utilização desta iniciativa como ferramenta de avaliação e recrutamento de jovens que possam vir a integrar os quadros da multinacional em território nacional.

"Esta competição já faz parte da estratégia de recrutamento da Accenture. O apoio às equipas e o patrocínio à competição em Portugal assume-se como uma oportunidade privilegiada de analisar o desempenho dos participantes que podem vir a tornar-se futuros quadros da empresa", explica José Gonçalves. É o que permite à consultora o contacto direto com potenciais candidatos de forma a atrair e reter os melhores talentos, já que aqui têm a oportunidade de interagir com um número significativo de universitários e profissionais.

Durante a prova, salienta José Gonçalves, "os estudantes enfrentam cenários similares aos que irão encontrar no mundo empresarial, competindo com os seus pares e quadros de empresas numa prova que proporciona as mesmas oportunidades de sucesso a todas as equipas, independentemente da sua composição". Além disso, na sua opinião, iniciativas como esta, que privilegiam a capacidade de análise de informação e de trabalho em equipa para ultrapassar as várias etapas, servem o propósito de preparação para a integração com maior sucesso no mercado de trabalho.

Outra mais-valia do Global Management Challenge é, na análise do presidente da Accenture Portugal, permitir a quem a integra conhecer de forma próxima as realidades associadas ao mundo empresarial e de aprender uma série de conceitos de estratégia e gestão imprescindíveis a futuros profissionais. Entre eles contam-se a capacidade analítica e de adaptação aos resultados, trabalho em equipa e aquisição de competências de tomada de decisão. É também uma boa oportunidade para avaliar os elementos das equipas sob o ponto de vista humano e do seu potencial de liderança. "Talvez o grande fator diferenciador desta iniciativa seja permitir um melhor conhecimento da estrutura de uma organização e da relevância de todas as áreas para um objetivo de negócio comum", intensifica.

Na Accenture Portugal, a falta de recursos humanos qualificados, sobretudo em áreas tecnológicas e digitais, é uma realidade com a qual a consultora tem de lidar diariamente, mas o seu presidente acredita que este fator não deve ser um entrave à sua ambição de fazer crescer o negócio de forma sustentável e criar valor para o país. Daí o Global Management Challenge ser tão relevante para a consultora como instrumento de recrutamento. No que respeita a perfis, a empresa procura, entre outras áreas, profissionais com competências nas áreas das engenharias informáticas, computação e eletrónica.

Conselhos para o sucesso

E não é só em Portugal que a Accenture Portugal está envolvida no Global Management Challenge. "A competição tem vindo a crescer imenso a nível internacional e também a Accenture tem ajudado a potenciar a expansão geográfica deste projeto em países como Angola, República Popular da China, França, Polónia, República Checa e Brasil", frisa o presidente da multinacional. De volta a território nacional e com a presença de quatro equipas na segunda volta, José Gonçalves espera que estas venham a ter o melhor desempenho possível. Quer ainda que os estudantes retirem o máximo proveito desta experiência, para a sua formação e crescimento como profissionais.

Para José Gonçalves e para se ter sucesso neste desafio é necessário ter uma capacidade de resiliência grande, já que no mundo do trabalho esta é uma qualidade muito valorizada. Aconselha os elementos das equipas que continuam a mostrar o seu valor na segunda volta a "terem em conta que há inúmeros fatores de contexto, intangíveis, que condicionam a conquista final de objetivos. Além disso, que sejam analíticos e se baseiem em factos na análise dos problemas que irão enfrentar ao longo da competição e sejam criativos nas soluções, pois só assim se podem diferenciar dos restantes concorrentes".

Expresso | 23/09/2017 | José Gonçalves