Lisboa, 20 de maio de 2019 – De acordo com um estudo recente da Accenture, uma diminuição na confiança dos stakeholders pode ter um impacto substancial na competitividade das empresas. Dados do Accenture Competitive Agility Index indicam que 54% das empresas analisadas sofreram uma grande queda no grau de confiança, o equivalente à perda de 180 biliões de dólares de potenciais receitas.

O relatório intitulado “The Bottom Line on Trust” da Accenture Strategy quantifica o impacto da confiança nos resultados da empresa, com base na análise de mais de 7.000 organizações, em 20 setores, em várias dimensões interdependentes como crescimento, rentabilidade, sustentabilidade e confiança

Pedro Galhardas, Managing Director responsável pela Accenture Strategy em Portugal, afirma que “a confiança já não pode ser levada de forma “leviana” nas organizações. Atualmente podemos quantificar o impacto da confiança, especialmente o impacto da perda desta na receita das empresas e no crescimento do EBITDA. Desde recolhas de produto e violações de dados ou erros da equipa executiva, as quebras de confiança representam um risco cada vez maior para a saúde financeira das empresas. Os líderes atuais devem cumprir as promessas da sua empresa de forma a limitar o impacto duradouro que um grande incidente de confiança pode ter sobre a sua competitividade”.

The competitive agility index, about the research

The competitive agility index about the research. 7030 empresas, 20 setores, 4 milhões de dados.

De acordo com o estudo realizado pela Accenture Strategy, quando uma organização enfrenta uma diminuição substancial de confiança entre os seus stakeholders chave – clientes, investidores, colaboradores, fornecedores, analistas e media – o resultado é uma quebra de dois valores, em média, na sua pontuação do índice. Um valor a menos no índice equivale, em média, a um impacto negativo de 3% no crescimento da receita e de 5% no EBITDA, em todos os setores.

Confiança no negócio: impacto nos resultados

Quando ocorre uma perda de confiança, as empresas sofrem, geralmente, uma queda no crescimento da receita e do EBITDA. O impacto varia consoante o setor, como é visível nos exemplos abaixo:

  • Uma empresa B2C promoveu um evento orientado para a sustentabilidade que não resultou bem, perdendo a confiança dos seus stakeholders. A publicidade viral negativa resultante fez com que pontuação de confiança caísse 9% em apenas um trimestre. A pontuação no Índice de Agilidade Competitiva anual caiu 1,4%. As receitas diminuíram 400 milhões de dólares, enquanto o EBITDA diminuiu em 200 milhões de dólares.
  • Por outro lado, quando uma empresa B2B foi mencionada em alegações de branqueamento de capitais, a sua pontuação de confiança caiu 9% em apenas um trimestre. No ano seguinte, as receitas baixaram em quase 34% ou 1,8 mil milhões de dólares, com o EBITDA a cair acentuadamente em 61% ou 500 milhões de dólares.

Embora a percentagem média varie conforme o setor, quando ocorre uma quebra no grau de confiança, esta impacta empresas de todas as indústrias, que acabam por sofrer quebras significativas tanto nas receitas quanto no EBITDA.

Potential impact on revenue growth from a 2-point drop in index score

Potential impact on revenue growth. Mostra o impacto no crescimento das receitas e uma queda superior a dois pontos percentuais.

Potential impact on EBITDA growth from a 2-point drop in index score

Potential impact on EBITDA growth. Mostra o impacto no crescimento, uma queda superior a dois pontos percentuais.

Proteger os resultados

Apesar dos esforços das organizações, é impossível prevenir totalmente incidentes de quebra de confiança. No entanto, as empresas podem preparar-se através de uma estratégia que equilibre crescimento, rentabilidade, sustentabilidade e confiança. Ao fazê-lo, vão poder mitigar o número de incidentes. E quando um caso efetivamente ocorrer, a estratégia equilibrada vai ajudar a diminuir o impacto.

  • Avaliar a situação atual. A única forma de saber em que estágio a sua organização se encontra é medir o grau de confiança, trazendo dados concretos para a discussão.
  • Tornar a confiança parte da cultura organizacional. A equipa de liderança precisa de abraçar a confiança como um elemento principal da estratégia de negócio. Toda a organização, em qualquer nível, precisa de estar alinhada com esta prática.
  • Elevar o papel da confiança na estratégia global. Algumas organizações optam por reduzir os custos a curto prazo e aumentar o lucro sem levar em consideração os riscos de quebra da confiança. A médio e longo prazo, as empresas precisam da criar confiança em todos os stakeholders para alcançar um crescimento robusto.
  • A confiança está longe de ser uma questão corporativa menor. Faz parte de uma estratégia interdependente que influencia significativamente os resultados finais e a competitividade. Saber o quanto está em jogo para a organização, levando confiança e competitividade para níveis de discussão forenses, está a tornar-se a regra.

O Índice de Agilidade Competitiva da Accenture

O Índice de Agilidade Competitiva, desenvolvido pela Accenture Strategy, classifica 7.030 empresas em 20 setores com base em dados dos últimos dois anos e meio em três dimensões interdependentes de competitividade: crescimento, lucro e sustentabilidade/confiança. O índice baseia-se em dados disponíveis ao público, incluindo dados históricos e dados futuros estimados, e medidas inovadoras de sustentabilidade e confiança.

SUBSCREVER
Mantenha-se informado com a nossa newsletter Mantenha-se informado com a nossa newsletter