Os líderes preparados para o futuro reconhecem que organizações digitalmente fluentes – impulsionadas por gestores do conhecimento – obtêm retornos sólidos em inovação, experiência para as pessoas e valor para o cliente. A fluência digital permite que as pessoas construam bases tecnológicas - e não apenas trabalhem ao lado delas - e que estimulem a criatividade e novas formas de trabalho.

Empresas “future-ready” adotam três etapas em direção a operações inteligentes.

Criar uma cultura baseada em dados que permita agilidade

Quando o assunto é a tomada de decisão por um modelo operacional, dados tornaram-se ainda mais importantes do que a experiência e a intuição dos executivos. O RH não é exceção e é capaz de fornecer insights em tempo real sobre cada parte do ciclo de vida dos colaboradores: contratações, retenções (incluindo engajamento) e promoções.

71%

dos CEOs dizem que o modelo operacional de sua organização é projetado com base em dados.

75%

dos CEOs dizem que a digitalização ajudou a fornecer insights para a tomada de decisões e nos resultados dos negócios.

78%

dos líderes de RH relatam o uso amplo ou integral de dados para alimentar análises, IA e ciência de dados.

99%

dos líderes de RH esperam ter dados em ampla utilização ou utilizados em escala em três anos.

Além disso, os líderes da alta administração devem utilizar dados que contribuam com o aumento do bem-estar dos funcionários, uma expectativa crescente dos profissionais e que está se tornando indispensável para a produtividade e retenção nas organizações. Os dados também devem informar o desenvolvimento de carreira e ser usados juntamente com análises preditivas para minimizar conflitos ou para combinar as prioridades, metas e competências das pessoas com caminhos apropriados que podem incluir requalificação responsável.

Estudo de caso

Uma empresa de fabricação e de cuidados pessoais utilizou dados e análises para entender melhor o mercado de candidatos e o processo de contratação para aprimorar os resultados em termos de diversidade, equidade e inclusão. O trabalho apontou o viés da empresa em relação aos candidatos internos e catalisou a expansão da diversidade no pipeline de talentos. Por meio de ações baseadas em dados, a empresa aumentou sua diversidade étnica e de gênero nas novas contratações de 38% para 60%.

Impulsionar o talento humano por meio da inovação tecnológica

A automação está desempenhando um papel crítico na função das pessoas – ela está sendo aplicada de novas maneiras para mudar a forma como o trabalho é feito e, às vezes, se sobrepõe à IA. Esses avanços liberam tempo para que funcionários e o RH se concentrem em atividades de maior valor. Por exemplo, os funcionários podem:

  • Utilizar o chatbot guiado por IA para responder perguntas sobre a transferência de funções em vez de entrar em contato diretamente com o RH.
  • Obter notificações e recursos automatizados do fluxo de trabalho, como o reembolso de mensalidades, o que resulta em taxas de erro menores.

11%

é o aumento de CEOs que afirmam que há automação generalizada ou integral, há mais de três anos.

52%

de CEOs relatam que sua empresa utilizou cloud em escala.

68%

dos líderes de RH relatam que sua empresa utilizou cloud em escala.

Um foco corporativo em tecnologia e automação só é compatível com a necessidade de aumentar investimentos em cloud. A nuvem continua sendo uma área que deve ser estendida a todas as funções, incluindo o RH.

Aumentar o talento através da inovação tecnológica requer que a alta administração se comprometa a criar uma elevação geral no quociente de tecnologia da organização. Isso significa adquirir, construir e nutrir competências digitais e em nuvem como parte de sua mudança cultural.

Estudo de caso

Uma empresa líder em telecomunicações queria reduzir os custos operacionais de RH. Entre outras iniciativas, agilizou o processo de negociações salariais usando uma série de soluções em nuvem para obter análises avançadas e insights sobre tudo, desde detalhes de um trabalho e da disponibilidade de candidatos até expectativas salariais. Agora, a empresa mantém a paridade de remuneração e oferece o salário adequado para o conjunto de competências e qualificações certas e a equipe de RH pode se concentrar em apoiar a estratégia de negócios e o crescimento. O modelo operacional de RH redesenhado reduziu os custos em mais de 30% e a taxa de satisfação dos funcionários ultrapassou 95%.

Fomentar a colaboração entre negócios e tecnologia

As organizações que desejam diminuir a lacuna de operações inteligentes precisam quebrar as barreiras entre TI e os outros departamentos de maneira estratégica.

41%

dos líderes de RH dizem que a colaboração entre os grupos de negócios e tecnologia será integral em três anos.

86%

de todas as organizações “ future-ready” esperam que as funções de negócios e tecnológicas colaborem totalmente até 2023, acima dos 55% atualmente.

Os líderes da alta administração devem entender os requisitos de talento e competências em toda a organização utilizando análises e insights preditivos.

Por exemplo, eles devem usar a tecnologia para examinar as competências no mercado de trabalho local para que os profissionais de RH possam trabalhar o entendimento das necessidades de competências da força de trabalho. Assim, eles podem encontrar mais rapidamente o caminho com melhor resultado para garantir habilidades e recursos do mercado externo.

Jill K. Goldstein

LÍDER DE SERVIÇOS DE PROCESSOS E NEGÓCIOS DE RH E TALENTOS

MAIS SOBRE ESTE TEMA

Via expressa para o futuro
Resiliência humana: o que a sua equipe precisa durante a COVID-19

CENTRAL DE ASSINATURAS
Visite nosso Centro de Assinaturas e Preferências Visite nosso Centro de Assinaturas e Preferências