Skip to main content Skip to Footer

ÚLTIMOS ESTUDOS


O CFO como arquiteto do valor de negócio

Conheça os desafios que os diretores de finanças têm enfrentado e como os CFOs se adaptam às tecnologias digitais e aos novos modelos de crescimento.

VISÃO GERAL

A função do diretor financeiro (CFO) evolui para a de um arquiteto do valor do negócio, que conduz o crescimento da empesa e gerencia a complexidade enquanto controla os custos.

Nosso estudo Finanças de Alta Performance 2014 explora a transformação da função do CFO, que agora tem mais influência estratégica e conduz o valor do negócio ao dar suporte ao crescimento e ao gerir a complexidade por meio da manutenção do controle dos custos.

CENÁRIO

A pesquisa, conduzida pela primeira vez em 2014, acompanhou a evolução contínua dos CFOs. A edição deste ano pesquisou mais de 600 executivos e realizou entrevistas com mais de 30 CFOs e outros profissionais seniores de finanças.

Em nossa pesquisa:

  • 75% dos executivos disseram que o papel do CFO no suporte a decisões estratégicas aumentou nos últimos dois anos.

  • 75% dos executivos acham que a influência do CFO nas iniciativas de transformação empresarial aumentou. A pesquisa mostrou que:

  • A complexidade é o maior desafio dos executivos hoje em dia. No entanto, pode ser considerada uma oportunidade para implementar grandes transformações na busca por simplificar, padronizar e otimizar os processos de negócio.

  • A tecnologia digital tem apresentado um impacto significativo na performance das funções de finanças. As novas tecnologias digitais podem ajudar os executivos seniores a gerenciar melhor a complexidade e melhorar o processo de tomada de decisões.

A pesquisa também mostrou cinco imperativos-chave para os CFOs se tornarem arquitetos do valor do negócio para a empresa:

  1. Alinhar a estratégia ao longo de toda a empresa

  2. Transformar modelos operacionais

  3. Gerenciar a performance do negócio e descobrir as medidas certas para fazer isso

  4. Construir a perspicácia da tecnologia digital e sua gestão

  5. Continuar a desenvolver competências avançadas em finanças

CONCLUSÕES-CHAVE

Nosso estudo Finanças de Alta Performance 2014 trouxe cinco insights relevantes:

  • As funções de finanças progrediram muito nos últimos três anos no gerenciamento de alguns fatores externos que impactam a performance, como o desafio da inconstância, por exemplo. No geral, os executivos seniores estão mais satisfeitos com a performance de seu setor do que em 2011, em todos os aspectos pesquisados.

  • A complexidade, em suas diversas formas, é o maior desafio das organizações financeiras, mas também é uma oportunidade. As companhias podem ajudar no gerenciamento das complexidades ao padronizar e otimizar os processos para simplificar a organização.

  • O controle de custos não é mais a prioridade na maior parte das organizações. Em vez disso, os CFOs pensam no investimento em crescimento. Com isso, muitos têm encontrado a oportunidade de possibilitar uma maior transformação do negócio, com a construção de valor para a empresa.

  • A tecnologia digital tem grande impacto na performance das funções de finanças. Ela oferece uma oportunidade clara para os CFOs aceitarem e aproveitarem a revolução digital, por sua posição privilegiada na interseção entre finanças, tecnologia e estratégia.

  • Os líderes financeiros em empresas de alta performance são os que veem sua influência aumentar em atividades estratégicas na organização. Eles demonstram alto grau de satisfação com o desempenho das suas áreas e estão envolvidos com a avaliação dos investimentos em tecnologia.

RECOMENDAÇÕES

Observamos cinco princípios-chave para os CFOs:

  • Alinhar as estratégias: a agenda e os objetivos do CFO precisam estar alinhados com a estratégia do negócio e do CEO. O diretor financeiro será uma peça-chave na formulação da estratégia da empresa e precisará liderar sua área com objetivos estratégicos.

  • Transformar os modelos operacionais: o CFO precisará fazer seu modelo operacional evoluir constantemente para se adaptar a conjunturas mais exigentes. A transição para um modelo global ou integrado de serviços compartilhados pode ajudar a reduzir custos e dar acesso rápido a serviços de maior valor agregado.

  • Gerenciar a performance: o CFO terá de olhar para o futuro e acompanhar os indicadores do negócio muito cedo no ciclo. A função de finanças deve trazer uma visão holística da performance, ao analisar os resultados financeiros com relação às decisões tomadas na empresa e às mudanças no mercado.

  • Abraçar o digital: os CFOs precisam desenvolver um conhecimento mais profundo do panorama tecnológico digital e aprender a “falar digital”. O componente tecnológico dos processos de negócios não pode mais ficar isolado, e o CFO precisará ter a capacidade de avaliar todo o escopo da tecnologia digital na sua área de atuação.

  • Desenvolver competências em finanças: conforme a área financeira dialoga mais com a liderança da empresa, haverá cada vez mais necessidade entre os profissionais financeiros de competências que apoiem a análise e o uso da tecnologia digital. O setor de Finanças também precisa desenvolver especializações em todos os aspectos financeiros dos processos de negócios, como precificação e promoções comerciais.