Skip to main content Skip to Footer

ÚLTIMAS IDEIAS


Saúde Conectada - Informações integradas

Melhor atendimento, menor risco de erros e maior controle do custo

Visão geral

Para oferecer mais segurança e assertividade nos tratamentos prescritos, os médicos precisam do apoio de um sistema de saúde conectado, capaz de registrar e compartilhar informações entre hospitais, clínicas, profissionais e prestadores de serviço do setor.

A estratégia mais eficiente para alcançar este objetivo é criar uma plataforma nacional que promova a troca de informações médicas, onde especialistas acessem dados de pacientes por meio de seus prontuários médicos eletrônicos (PMEs). Esses sistemas são ideais para disponibilizar registros e históricos hospitalares com a segurança e a confidencialidade necessárias.

Cenário

Governos, empresas e provedores de tecnologia e de serviços de saúde devem trabalhar juntos para criar um modelo nacional de informações médicas integrado, capaz de capturar, armazenar e compartilhar registros.

Projetos de saúde eletrônica (e-Saúde) estão nos seus primeiros estágios, mas começam a oferecer funcionalidades diferenciadas aos provedores de serviços do setor. Uma iniciativa de e-Saúde implementada na Inglaterra permitirá que os médicos de determinados hospitais e clínicas compartilhem dados específicos de pacientes já na primeira fase do programa. Os desafios deste projeto incluem a capacitação de todos os provedores de serviços de saúde, a captura de novos registros e a integração com sistemas de PMEs já existentes.

Análise

Especialistas internacionais em padrões de conexão de sistemas de saúde acreditam que os programas de saúde eletrônica têm o potencial de revolucionar a prestação de serviços no setor. Porém, é preciso assegurar que as plataformas existentes possam interagir facilmente com os novos programas.

Um dos principais desafios enfrentados na conexão de sistemas é a implementação de padrões de codificação capazes de assegurar que múltiplos aplicativos possam interpretar e compartilhar dados. As organizações utilizam suas informações de formas diferentes, o que influencia a maneira como os seus PMEs registram, visualizam e salvam arquivos. Essas particularidades tornam o vínculo entre diferentes sistemas ainda mais complexo.

Uma parcela significativa dos sistemas de PMEs padronizados não é capaz de registrar dados a partir de uma plataforma de troca de informações eletrônicas central. Isto significa que os provedores de tecnologia voltada para a área da saúde terão que convencer hospitais e médicos a atualizar seus programas. Esta adequação, porém, pedirá por investimentos em novos aplicativos, o que poderá gerar resistência por conta dos valores a desembolsar.

Recomendações

Para oferecer um tratamento eficaz ao paciente, o PME deverá armazenar registros a partir do registro eletrônico de saúde e disponibilizar arquivos com o histórico do paciente; tratamentos em andamento; medicações utilizadas e o princípio ativo de cada uma para que o especialista possa identificar possíveis contraindicações; cirurgias recentes e internações.

Os integradores de tecnologia devem encontrar uma maneira eficaz para capacitar sistemas de PMEs que armazenam dados em diversos formatos, e registrar de forma eficiente as informações que serão compartilhadas. Estas plataformas devem contribuir com a equipe médica na construção do diagnóstico, na decisão do tratamento mais adequado para cada caso, e no acompanhamento do paciente a longo prazo.

Adequar e disponibilizar dados de saúde para a comunidade médica num formato claro e abrangente não é uma tarefa simples. Para transformar este cenário, governos, empresas de tecnologia e provedores de serviços de saúde devem trabalhar juntos e de forma consistente para integrar informações médicas em prol da vida da população e conectar pacientes aos melhores tratamentos.