Skip to main content Skip to Footer

RELEASE

Déficit de competências tecnológicas atrasa migração para fábricas digitais, revela pesquisa


São Paulo, 22 de agosto de 2016 - Embora uma grande parcela de fabricantes já tenha implementado plataformas digitais, mais de metade (51%) não possui as habilidades necessárias para operar fábricas digitalizadas, de acordo com um novo estudo da Accenture (NYSE: ACN). O relatório da Accenture Strategy revela que os fabricantes mais bem-sucedidos possuem estratégias avançadas envolvendo talentos, implementadas para habilitar digitalmente a força de trabalho do futuro.

Nomeado "Cracking the Code on the Digital Factory" ("Decifrando o código da fábrica digital", em Português), o relatório foi elaborado com base em um estudo global realizado com 450 fabricantes, e revela que o déficit crescente de competências é uma das maiores preocupações das companhias - uma situação que se agravou nos últimos anos, pois os fabricantes transformaram suas operações usando novas capacidades de tecnologia, análise e mobilidade.

De acordo com o estudo, 55% dos fabricantes (um aumento de 38% em relação a 2013), relataram a falta de competência tecnológica entre os colaboradores que precisam operar máquinas e equipamentos digitais cada vez mais avançados, como impressoras 3D ou ferramentas de modelagem e simulação no chão de fábrica. Da mesma forma, 60% dos fabricantes (um aumento de 31% comparado a 2013) citaram a escassez de trabalhadores com habilidades no uso de análise de manutenção preditiva, que utiliza dados de sensores incorporados em um ambiente machine-to-machine (máquina a máquina).

"Para os fabricantes atingirem o valor potencial total das fábricas digitais, eles precisam redefinir sua força de trabalho para incluir novas técnicas de produção, como raciocínio analítico e apoio à decisão estimulado por dados", avalia Russ Rasmus, diretor executivo da Accenture Strategy. "O desenvolvimento de uma estratégia ampla de talentos, que inclua novas competências digitais, é fundamental para os atuais fabricantes."


Líderes de fábricas digitais

A pesquisa identificou um pequeno grupo de fabricantes (8%) que superou seus concorrentes, aumentando a produção e a rentabilidade em mais de 10% desde 2013. Esses "líderes" são mais propensos do que seus concorrentes a compreender quais são as novas habilidades necessárias para o crescimento e sucesso futuros, além de terem uma estratégia mais eficaz para atrair, desenvolver e a essa nova geração de talentos.

A maioria desses líderes (73%) relatou ter as competências digitais necessárias, em comparação com 49% de outros fabricantes; e quase 50% deles informaram ter um maior grau de visibilidade sobre as habilidades que precisam. Isso possibilitou que a maioria dos líderes (81%) alcançasse uma maior mobilidade interna da força de trabalho em papéis envolvendo o digital, permitindo-lhes combinar colaboradores com gestores que precisam dessas habilidades.


Barreiras para o sucesso

Embora essas fábricas digitais estejam capacitadas com inovações tecnológicas de rápido desenvolvimento, o aspecto tecnológico da sua implementação não é a maior barreira para o sucesso. Segundo a pesquisa, 75% dos desafios de implantação citados pelos entrevistados estão relacionados com competências, talento dentro da organização, mudança ou estrutura organizacional.


Principais obstáculos que impedem a adoção do digital pelos fabricantes

"Os fabricantes devem gerenciar de forma agressiva estes obstáculos não técnicos, à medida que implantam suas habilidades de fábrica digital. Estas incluem a capacidade de criar novos processos, liderar equipes compostas de trabalhadores e máquinas e atualizar constantemente os programas de treinamento ", destaca Rasmus.

Para mais informações sobre o relatório, visite www.accenture.com/digitalfactory. Participe da conversa no Twitter em @AccentureStrat.


Cenário Brasil

  • 64% dos fabricantes locais já implementaram, ou estão em processo de implementação, de sua base digital. Globalmente, 70% das empresas estão no mesmo estágio;

  • 70% das empresas manufatureiras brasileiras já implementaram, ou estão em processo de implementação, de tecnologias para mobilidade, porcentagem ligeiramente mais elevada que o total global (68%);

  • 67% das empresas manufatureiras locais já implementaram, ou estão em processo de implementação, de tecnologias para análise de operações e monitoramento de processos (globalmente: 71%);

  • 43% dos fabricantes brasileiros já implementaram, ou estão em processo de implementação, de tecnologias para automação inteligente e controle de processos; porém, 50% das empresas locais sinalizaram interesse em adotar tais tecnologias futuramente.

  • 80% das companhias manufatureiras locais já implementaram, ou estão em processo de implementação, de segurança digital e gerenciamento de energia - globalmente, a adoção foi bem menor: 64%

  • 57% das fabricantes brasileiras já implementaram, ou estão em processo de implementação, da torre de controle de manufatura, contra 63% globalmente;

  • 63% dos entrevistados brasileiros dizem ter implementado, ou estar em processo de implementação, de tecnologias avançadas para manufatura, contra 49% do total global.

  • 50% das companhias manufatureiras locais já implementaram, ou estão em processo de implementação, de tecnologias para engenharia colaborativa;

  • 97% dos fabricantes brasileiros registraram crescimento do nível de produção total e do lucro, comparado a 2013;

  • Para os respondentes brasileiros, os três aspetos da manufatura digital que mais impactam seus negócios são as Tecnologias Avançadas (70%), Automação Inteligente e Controle (53%) e Segurança Digital e Gerenciamento de Energia (53%);

  • 41% do investimento digital das empresas manufatureiras locais é direcionado aos seus clientes e apenas 29% aos seus parceiros/fornecedores.

  • Entre os aspectos mencionadas pelas organizações locais como obstáculos para o gerenciamento da transformação digital destaca-se a resolução de problemas de integração das tecnologias digitais com infraestrutura preexistente;


Metodologia

O relatório é baseado em um estudo global da Accenture Strategy, que incluiu uma pesquisa online com 450 fabricantes com sede em 13 países, incluindo o Brasil. O estudo focou em 10 setores, incluindo automotivo, comunicações, produtos de consumo, eletrônicos e alta tecnologia, produtos industriais, ciências da vida, petróleo & gás, produtos químicos, recursos naturais e serviços públicos. Mais da metade dos entrevistados (57%) são executivos de nível C de organizações com receitas anuais entre 500 milhões de dólares e 50 bilhões de dólares. A Accenture fez este estudo pela última vez em 2013.

Sobre a Accenture

A Accenture é uma empresa líder global em serviços profissionais, com ampla atuação e oferta de soluções em estratégia de negócios, consultoria, digital, tecnologia e operações. Combinando experiência ímpar e competências especializadas em mais de 40 indústrias e todas as funções corporativas - e fortalecida pela maior rede de prestação de serviços no mundo - a Accenture trabalha na interseção de negócio e tecnologia para ajudar companhias a melhorar seu desempenho e criar valor sustentável para seus stakeholders. Com aproximadamente 373.000 profissionais atendendo a clientes em mais de 120 países, a Accenture impulsiona a inovação para aprimorar a maneira como o mundo vive e trabalha.
Visite www.accenture.com.br.


Informações para a imprensa:

Accenture

Sergio Pedroso - (11) 5188-0688 | sergio.pedroso@accenture.com

Burson-Marsteller

Isabel Kopschitz - (11) 3040-2418 | isabel.kopschitz@bm.com

Cristina Calassancio - (11) 3040-2394 | cristina.calassancio@bm.com

Robson Melendre – (11) 3040-2418 | robson.melendre@bm.com